Arquivo mensal: novembro 2009

>Original e de graça!

>

Com a aposta de selos e gravadoras independentes no mercado digital a Trama Virtual retoma a veia alternativa que a criou e passa a disponibilizar álbuns gratuitos no site e a bola da vez é o Autoramas. MTV Apresenta Autoramas Desplugado é fruto do especial da banda que foi ao ar no último dia 13 e sai na net antes das lojas, trazendo versões alternativas para as clássicas do trio carioca. Destaque para as participações especiais de Frejat em Sonhador e Érika Martins em Música de Amor. O disco ainda traz duas inéditas, Gente Boa e Samba Rock do Bacalhau e mais alguns covers como Eu Vou Vivendo, dos Walverdes e Galera do Fundão, onde o guitarrista Gabriel Thomaz relembra os tempos da sua extinta banda Little Quail & The Mad Birds. O diferencial da proposta da Trama na era download é que além do disco se pode baixar também o encarte do disco e mais material promocional e exclusivo.
O site Album Virtual disponibiliza também o segundo disco dos brasilienses do Móveis Colonias de Acaju, c_mpl_te, lançado em  maio deste ano e repleto extras e vídeos das gravações. Ainda estão disponíveis os álbuns Mensalidade e Chapter 9 de Ed Motta e Donkey, do Cansei de Ser Sexy, lançado em 2008 com o EP Suxxx, considerado o lado B do primeiro disco da banda. E é claro, tudo de graça.
:::::

>Beck vs Warhol

>

Covers são motivo de briga. Faz parte das peremptoriedades, do ame ou deixe. Para complicar as coisas  sempre há uns malucos dispostos a fazer versões dos clássicos ditos irretocáveis. Mas ainda, o que é uma versão? Mais do mesmo ou pretensiosas releituiras que dão o “real sentido à canção”. Tal qual estes salvadores da música mundial se arriscam, Beck resolveu  a questão: Junta uma galera e grava tudo denovo. Nessa onda ele encerrou em setembro a primeira parte do projeto Record Club, onde a proposta é reunir uma banda de camaradas num estúdio e encarar a gravação de todo um álbum em um dia. A primeira empreitada rendeu a sua versão de Velvet Underground & Nico, o clássico da banana. Dessa vez a cozinha é básica e conta com sua banda de apoio, mais o produtor Nigel Godrich e a cantora islandesa Thorunn Magnusdottir. Para tentar não dar tanto pano pra manga – O disco mais parece uma versão bêbada de um disco lisérgico mas o clima jam session tem seus pontos altos. Uma segunda dose já está a caminho, a vítima da vez é o vozeirão Leonard Cohen em seu primeiro disco. Os primeiros resultados já podem ser conferidos em Beck.com, onde alguns vídeos das gravações também estão disponíveis.
Beck – Velvet Underground & Nico
Record Club / 2009
pass: nodata.tv

:::::

>A queridinha do momento

>

Aos treze anos ela gravou um disco composto pelo pai, Serge Gainsbourg. Aos dezesseis ganhou o prêmio Cesar de atriz promissora pela interpretação em La petite voleuse. Em 2005 arrancou de Todd Haynes o elogio: “Eu nunca quis tanto ser heterossexual”, após ser dirigida por ele em I’m not there. Em 2009 arrancou as poltronas de Cannes com Antichrist, de Lars Von Trier e agora terá um disco produzido pelo Beck. O que ela tem? Não sei. O fato é que ela encanta. Seu segundo disco, prometido para o início de 2010, vem com boa produção e bom conteúdo. Pelo menos é o que indica a faixa título do disc disponibilizada em seu My Space, IRM e o vídeo de uma segunda música disponibilizada no canal videotheque de Beck, Heaven Can Wait. Indie, progressivo, experimental… um pouco de tudo com um pouco de Beck. Acredito que as apresentações já foram suficientes.

Charlotte Gainsbourg – IRM
Single / 2009
:::::

>Antes que o ano acabe…

>

O ano está indo, mas ainda tem gente lançando e se lançando. E o caso dos ingleses do The XX. Em verdade o single Crystalised já saiu em agosto e de lá para cá eles até já perderam uma integrante, a tecladista Baria Qureshi. Formado em 2005 na cidade de Londres como um quarteto, o – agora – trio já figura em trilhas de séries com Law & Order e ficou na sexta posição da “The Future 50 list” da NME 2009. Indie na essência e shoegaze no charme, XX é cativante e o single dá bons sinais para o disco, que aliás já foi lançado, mas para os brasileiros continua perdido em algum lugar da net.
Da galera do continua… Rider.Shadow.Wolf. último EP do americano Jason Molina, ou Magnolia Electric Co. Aclamado pela crítica (como sempre) Molina volta – e muito bem – ao folk rock de voz e violão, guitarras de timbres que lembram o tema de Silverado e poesia simples e ultrapessoal. Duas canções que fazem jus ao adjetivo verdadeiro.
Entre os que ainda estão chegando está  a onemanband instrumental Lost Reverie e seu EP Railroads. O homem por trás do vulgo é o mexicano Juan Herrera. Lançado pelo selo independente e exclusivamente digital, Wise Owl Records, Herrera traz uma fusão interessante de ambient e post-rock que entre a velocidade de uma bateria quase metal e micro-riffs repetitivos cria um clima muito bem assinado.
Devolvendo a brasa para a sardinha do indie rock é a vez do quarteto americano Deerhunter. Garagem anos 90 na cara dura, as duas faixas do single Vox Celeste/Microcastle Mellow 3 tem utilidades bem definidades: Trilha para festa de sábado e trilha para ressaca de domingo – respectivamente. Mas o quarteto de Atlanta manda bem e com certeza estará entre os procurados de 2010.
E – antes que o ano acabe – o troca-troca entre Beck e Sonic Youth não poderia ficar de fora. Lançado como single em julho, passou quase despercebido. Beck interpretando a clássica sônica Green Light e Sonic Youth a beckiana Pay No Mind em versões bem curiosas. Vale a pena e dispensa apresentações.

The XX – Crystalised (single)
Young Turks Records / 2009
pass: nodata.tv
 Magnolia Electric Co – Rider.Shadow.Wolf [EP]
 Secretly Canadian / 2009

pass: nodata.tv

 
 Lost Reverie – Railroads [EP]
 Wise Owl Records / 2009

pass: nodata.tv

 
 DeerHunter – Vox Celeste (single)
 SubPop / 2009

pass: nodata.tv

 
Sonic Youth
Beck’s Pay no Mind
Beck
Sonic Youth’s Green Light

pass: nodata.tv

::::::

>Sebastien Grainger

>

 
Quem é? Tá, uma galera deve ter se perguntado isso. Ex-baterista do Death From Above 1979. Bah, mas quem é Death From Above? Você pode não saber, mas com certeza já emendou a Luísa Lovefoxx do CSS: “let´s make love listen Death From Above”. Tá aí, esse é o cara. Depois de seu primeiro álbum solo, Sebastien Grainger & The Mountains, de 2008, o canadense lança agora o single Who Do We Care For? Duas músicas, duas porradas, a faixa título e It´s a Living. A pegada da antiga banda ainda está lá, mas o vigor é completamente outro. Batera pesada, guitarras no limite do potenciometro e um sax pra dar clima de festa. O próximo disco promete, e muito!
Sebastien Grainger – Who Do We Care For?
(single) 2009

pass: nodata.tv
:::::

>Desafinando com elegância yankee

>

 
Enquanto o Clap Your Hands Say Yeah! não dá mais o ar da graça, seu frontman, Alec Ounsworth mostra que está afim de trabalhar. O recém lançado Mo Beauty aponta em duas direções: O Clap Your Hands se foi ou ainda tem muito a dar. Longe da simplicidade indie das guitarras da inativa trupe, Ounsworth traz um disco cheio de violões delicados, vocais melodramáticos e combinações bem inventivas. Gravado em Nova Orleans, o primeiro álbum solo do americano parece ter sofrido as influências da região do Mississipi. O que dá pra sentir nos metais cheios de swing ragtime de Thats Not my Home e Modern Girl, além de Holy, Holy, Moses, dedicada à capital da Louisiana. Com letras arrastadas por um vocal quase jocoso – como de costume – e amparado por uma mini orquestra de peso, Mo Beauty sai na finaleira do ano, mas já fuigura entre os melhores de 2008.
Alec Ounsworth – Mo Beauty
Anti – 2009
pass: nodata.tv
:::::
%d blogueiros gostam disto: