Arquivo mensal: junho 2013

[4:20]

Tudo se copia…

Banksy vs Picasso

Dias atrás pegaram Gotye no pulo e o cara já tá pagando mais de US$ 1 milhão para família do violonista brasileiro, Luiz Bonfá, para aliviar seu lado num processo por plágio.
Malandro é malandro… mané é mané. Ou como diria Picasso: “Os maus artistas imitam, os bons artistas roubam” – ou seria Banksy. O negócio é que essa parada de plágio já é das antigas, até o hino nacional brasileiro já foi apontado como plágio.
Pra alguns minutos de falta do que fazer, seguem aí algumas dessas coincidências… se lembrar de mais alguma, taca aí nos comentários.

A começar pelo Gotye e sua Somebody that I used to know furtada de Seville de Luiz Bonfá

Figurinha carimbada no reino dos plágios das coincidências, Coldplay vem com duas (ou três):
Viva La Vida e a treta com If I could Fly do Joe Satriani (0:48)

No caso de Talk não rolou processo como no caso Satriani, tá mais pra homenagem do que mão ligeira, mas… taí Computer Love, do Kraftwerk

E, é claro, Every Tear Drop is a Waterfall X Ritmo de La Noche X Rio… que tá mais pra sacanagem da galera.

Até a titia Madonna calçou Gimme, Gimme, Gimme do ABBA com Hung Up. Vá lá, é releitura/reaproveitamento/remake/cover/plágio. Mas tá valendo, Madonna pode.

E o que dizer do Placebo que deu aquela chupada em Let Me Be More Light do Pink Floyd com Taste in Men?

E quem não lembra da piada treta entre Angra e Parangolé?

Enfim, uma das coincidências que desde sempre me despertou curiosidade: as introduções de Primavera nos Dentes, dos Secos e Molhados e Breathe do Pink Floyd. Há algumas citações não oficiais de que a música dos Secos teria sido “levemente” inspirada no tema dos ingleses. A influência do Pink Floyd nos brasileiros é inquestionável. No entanto, o disco Secos e Molhados foi gravado em 1973, mais precisamente em maio, com um repertório já composto há algum tempo, inclusive apresentado em shows. Dark Side of the Moon, do Pink Floyd, foi lançado nas finaleiras de março de 1973. Será que deu tempo? Sei lá…

[Tumblr do dia] A biblioteca da prisão de Guántanamo

Guantanamo 01

A compilação é do jornalista Charlie Savage, do New York Times, que foi correspondente em Cuba durante o governo George W. Bush e cobriu as denúncias de tortura na prisão. É curioso, porque me falta adjetivo. A ironia sobra diante dos títulos… Tem mais lá no GITMOBOOKS.TUMBLR.COM

Guantanamo 02

Guantanamo 03

Guantanamo 04

Guantanamo 05

A teoria da evolução segundo South Park

South Park Evolution

“Aí está. Você são produto de cinco macacos que fizeram sexo com um esquilo-peixe. Parabéns”
Isso lembra alguma coisa da sua infância? Deus abençoe South Park.

Obama, um filme de Steven Spielberg

Obama by Terry Richardson

E se a vida de Barack Obama virasse filme, dirigido por Steven Spielberg e protagonizado por Daniel Day Lewis? Foi nessa que o Telegraph deu uma zoada no mês passado. O vídeo já é antiguinho pros padrões web, mas como este blog estava em recesso e blá blá blá… Mas é que na mesma semana em que esse vídeo apareceu, rolou uma “notícia”, meio trash meio fake, de que o Aécio Neves estaria sondando o Ronaldo Fenômeno para ser seu vice numa chapa para a presidência da república em 2014. Maluquice? Nem tanto…
Figuras pop transformadas em celebridades políticas não é novidade em tempos de Tiririca, Romário, Agnaldo Timóteo, Arnold Schwarzenneger ou pra buscar mais lá atrás, Cicciolina e Ronald Reagan.
Isso me lembra ainda uma crônica que li faz tempo – não lembro o autor, mas para dar credibilidade a este post vou atribuir ao Luis Fernando Veríssimo – em que uma dupla de amigos conversa num futuro próximo e a presidente da república é a Sasha Meneghel e o vice, Sandy e Junior (não, não são duas pessoas, mas a entidade).
O passeio todo aí de cima é pra tentar entender como a construção de uma imagem pop pro Obama é tão, ou mais importante que suas ações políticas. O fato do próprio Obama encenar a sketch torna isso ainda mais complexo. Isso deixa claro que pra conquista do voto, a função política está em segundo plano e os espaços políticos são cada vez mais mainstrem e portanto cada vez menos efetivos. Duas coisas ficam ainda mais evidentes, o “fim da ideologia” e o estado lacaio do poder econômico. Logo, a manutenção de figuras populares nos espaços políticos mantém a confiança do público/eleitor/cidadão na manutenção do status quo. Assim, governos viram reality shows e as eleições um paredão, em que mais se decide quem sai do que quem fica (ou vice e versa).
Mas, como no BBB, com os brothers já eleitos, o que pega é saber quem vai ser o líder e por enquanto Joaquim Barbosa tá nas graças do povo.

PS.: A foto do post é do fotógrafo Terry Richardson, o “fotógrafo das celebridades”.

David Lynch em mais um pesadelo sonoro

David Lynch - The Big Dream

Parece que Mr. Lynch enveredou de vez pelas bandas sonoras e promete mais um disco pra meados de julho. The Big Dream já tem teaser e vai dando as caras. Depois do estranho e surpreendente Crazy Clown Time, de 2011, TBD parece um pouco mais convencional e ao mesmo tempo mais contemporâneo. Assim como no cinema, na música lynch divide o público em amor ou ódio. Então é esperar até julho (ou até a primeira vazada) e… bons pesadelos.

%d blogueiros gostam disto: